Artigos •

Peelings

Os peelings são produtos químicos, na maioria das vezes ácidos, que são passados sobre a pele com o objectivo de causar uma descamação (peel do inglês quer dizer descascar).

A pele ao regenerar-se apresenta um aspecto mais jovial e liso, perdendo algumas das suas rugas e manchas.

Os peelings superficiais são compostos químicos que agem superficialmente na pele causando uma aceleração no processo de formação de uma nova camada superficial.

Consequentemente, lesões como manchas que se encontrem superficialmente podem melhorar com a aplicação destes tipos de peelings. O número de aplicações varia de pessoa para pessoa.

Os mais utilizados são os peelings de ácido glicólico, ácido retinóico e ácido salicílico. São peelings que causam descamação moderada, que pode ser camuflada com o uso de maquiagem. Não causam muita dor e a aplicação é rápida.

Os peelings médios causam uma abrasão e uma descamação mais acentuada, atingindo até a camada média da pele (derme superficial). São indicados para manchas mais profundas ou para rugas mais intensas. Os mais utilizados são os ácido tricloroacético (ATA). Causam formação de crosta mais acentuada que os superficiais.

O peeling profundo é o peeling de fenol. Atinge a camada mais profunda da pele (início da derme reticular) e causa descamação intensa. Não é usado por nós na actualidade.

Todos os peelings são realizados em consultório.

Em complemento a esta informação pode ver a página do Dr. José Carlos Neves e ler outros artigos sobre Cirurgia Plástica Facial.